A CEDAE

Estações de Tratamento do Guandu e Laranjal

 

Estação de Tratamento do Guandu

A Estação de Tratamento de Água do Guandu atende os municípios: Nilópolis, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo, São João de Meriti, Itaguaí, Queimados e Rio de Janeiro.

A ETA Guandu é uma das principais obras de engenharia do século 20 no Brasil e a certificação do Guinness, conseguida graças à outorga de uso da água obtida pela CEDAE junto a Serla em fevereiro de 2007, evidencia a valorização internacional da engenharia brasileira.

Projeto Novo Guandu.

Novo Guandu - Superando Nossas Metas

A CEDAE está prestes a quebrar seu próprio recorde com o projeto Novo Guandu, que aumentará em 30% a capacidade do sistema. Além de uma nova estação de tratamento serão construídos canais desarenadores, reservatórios, elevatórias de água bruta e tratada e adutoras que se interligarão com o sistema atual, conferindo maior segurança operacional e flexibilidade para o sistema de abastecimento do Grande Rio e principalmente da Baixada Fluminense. As estruturas da antiga captação serão aproveitadas, pois têm capacidade de aduzir um volume suficiente para a ETA existente e o Novo Guandu, o que facilitará a execução da obra e diminuirá os custos da ampliação. Outra obra importante será o desvio das águas dos rios Poços, Queimados e Ipiranga. Essas águas – muito poluídas, deságuam no rio Guandu, junto à captação da CEDAE. Com o desvio dessa poluição, a CEDAE aumentará a segurança do Sistema, melhorando a qualidade da água captada e diminuindo o custo do tratamento, já que reduzirá o consumo de produtos químicos.

Essas obras, além de propiciar maior oferta de água visam principalmente à segurança operacional em caráter estratégico, pois a ausência de outro sistema para suprir eventuais reduções, pode vir a prejudicar as programações de manutenção preventiva e preditiva necessárias ao sistema atual. Com o Novo Guandu esse cenário muda, pois será possível interligar os dois sistemas de adução de água tratada, fazendo com que um possa suprir a falta ou redução do outro, facilitando em muito a manutenção e obras de recuperação da ETA existente.

Destaque no Guinness Book

A ETA Guandu foi incluída no Guinness Book, O Livro dos Recordes, como a maior estação de tratamento de água do mundo em produção contínua. Desde a inauguração da primeira etapa, em agosto de 1955, a ETA Guandu passou por sucessivas ampliações e melhorias técnicas que permitem hoje uma vazão de 43 mil litros por segundo, suficiente para abastecer uma população de 9 milhões de pessoas na região metropolitana.

Saiba mais

Do poço cara de cão a maior ETA do mundo +

Ao fundar a cidade do Rio de Janeiro, Estácio de Sá abriu o Poço Cara de Cão, primeira obra para abastecimento de água da população.

Em 1723, com o Aqueduto da Carioca (os Arcos da Lapa) a população começou a abastecer-se através de chafarizes. Com o crescimento do Grande Rio e a ausência de mananciais com volume suficiente, foram construídos grandes sistemas, com captação feita em represas e adutoras, até que em 1955 passou-se a captar água do rio Guandu após a inauguração da primeira etapa da Maior Estação de Tratamento de Água do Mundo.

O tratamento de água que chega na ETA Guandu consome diariamente +

Sulfato de alumínio......140 toneladas
Cloreto férrico............. 30 toneladas
Cloro...........................15 toneladas
Cal virgem.................. 25 toneladas
Ácido fluossilícico........10 toneladas

Qualidade garantida+

A água chega na ETA Guandu barrenta e turva, e sai pura e cristalina após passar por várias etapas como a coagulação química, floculação, decantação, filtração, clarificação, desinfecção com cloro e finalmente fluoretação. Com uma equipe de manutenção especializada e experiente, aliada à tecnologia de ponta, a ETA Guandu garante saúde e qualidade de vida a milhões de cariocas. Técnicos trabalham no sistema Guandu em plantão 24 horas por dia e todas as operações, desde a captação até às elevatórias e reservatório de água tratada, são controladas por equipamentos de alta tecnologia no Centro de Controle Operacional – CCO. Os laboratórios da ETA Guandu realizam milhares de coletas e análises em regime 24hs/dia verificando a qualidade da água do manancial, dos produtos químicos utilizados no processo de tratamento e monitoram a qualidade da água já pronta para consumo, em tempo real, continuamente.

Cuidando do meio ambiente+

O Projeto Muda Guandu, desenvolvido pela CEDAE em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente, visa recuperar, no prazo de três a cinco anos, cerca de 1 mil hectares de matas ciliares que margeiam o rio Guandu. Para se ter uma idéia da dimensão do projeto, a área coberta pelo replantio equivale a seis estádios do Maracanã, no maior projeto desse tipo de reflorestamento já feito no sudeste do País. Cerca de 2,5 milhões de espécies nativas da Mata Atlântica estão sendo plantadas por 64 detentos, cedidos pela Fundação Santa Cabrini, em convênio com a CEDAE.

 

Conteúdo Relacionado

Agendamento de visitas a Estação de Tratamento de Água do Guandu:

Somente pelo e-mail visitaguandu@cedae.com.br

 

Estação de Tratamento de Água do Laranjal

Estação de tratamento de água do Laranjal

A Estação de Tratamento de Água do Laranjal é na realidade um complexo de produção e fornecimento de água potável, constituído de três (3) estações interligadas, que tem como manancial supridor de água bruta, os rios Guapiaçu e Macacu. A ETA do Laranjal possui uma vazão nominal de 7.0m3/s distribuída no arranjo das três estações interligadas.

Captação de água Imunana Laranjal

A água é captada no canal de Imunana, junto ao vertedor de regularização, sendo conduzida até a elevatória de água bruta através de um canal desarenador localizado no município de Guapimirim e bombeada até a ETA do Laranjal.

Como funciona a ETA do Laranjal

Diagrama esquemático da ETA do Laranjal

Agendamento de visitas a Estação de Tratamento de Água do Laranjal:

Marque sua visita através do telefone 3708-1209.
Informar nome do estabelecimento, justificativa para a visita, número de pessoas, nível de escolaridade, faixa etária e nome do acompanhante responsável.

 

voltar para INFRAESTRUTURA

 
Search