A instalação de rede de esgotos

 

Uma instalação de esgotos sanitários é formada por canalizações (tubos) e caixas de concreto. As caixas destinam-se à manutenção das instalações e devem ter tampa de ferro fundido, para maior proteção.

A responsabilidade da CEDAE é apenas sobre a ligação predial, que é o trecho entre a última caixa de inspeção e o coletor público, cuja manutenção é realizada gratuitamente pela empresa.

A instalação deverá conter ao menos uma canalização aberta para o exterior (é o tubo de ventilação), destinada à saída dos gases da rede coletora dos esgotos e a entrada de ar na canalização.

As águas de chuva, piscinas e jardins não devem ser escoadas pelas instalações de esgotos sanitários.

Os efluentes industriais somente podem ser lançados nas redes de esgotos após cuidados especiais, sob orientação do órgão público encarregado de fiscalizar essas questões de meio ambiente.

 

Manutenção das instalações

 

Assim como no caso das instalações de água, a manutenção das instalações de esgotos dos imóveis é de inteira responsabilidade dos respectivos proprietários ou ocupantes.

A limpeza da caixa de gordura deve ser feita semanalmente, lançando-se os resíduos, devidamente ensacados, no lixo. Nos casos de vazamentos (não só esgotos como de água) de um imóvel para outro, também cabe ao proprietário providenciar os reparos. Os vazamentos de esgotos sanitários representam um sério problema de saúde pública, em face dos altos riscos de contaminação que oferecem. Portanto, tenham todo cuidado com a manutenção dessas instalações.

A limpeza da caixa de gordura deve ser feita semanalmente, lançando-se os resíduos, devidamente ensacados, no lixo. Nos casos de vazamentos (não só esgotos como de água) de um imóvel para outro, também cabe ao proprietário providenciar os reparos. Os vazamentos de esgotos sanitários representam um sério problema de saúde pública, em face dos altos riscos de contaminação que oferecem. Portanto, tenham todo cuidado com a manutenção dessas instalações.

Para evitar mau cheiro, verifique se o fecho hídrico dos desconectores estão com água em volume suficiente. Desconectores são caixas dotadas de uma camada de água para evitar a penetração dos gases da rede de esgotos no interior do imóvel. É o caso do vaso sanitário, que deve ter sempre aquela pequena camada de água no fundo. O vaso é um desconector e a água que ali permanece é o fecho hídrico.

Outros exemplos de desconectores são o ralo sifonado, a caixa de gordura e a caixa sifonada, todos dotados de camadas de água no interior. A canalização de ventilação é indispensável para eliminar os gases da instalação e da rede pública de esgotos.

 

Fossa séptica


Quando não existe rede coletora de esgotos sanitários dotada de tratamento adequado, é necessário que o tratamento ocorra na área do próprio imóvel. Utiliza-se, então, a chamada fossa séptica, um dispositivo de fluxo contínuo, à venda nas lojas de material de construção, destinado ao tratamento dos efluentes dos esgotos sanitários. O volume mínimo de uma fossa séptica é de 1.250 litros, o que satisfaz a um imóvel com até cinco pessoas. O maior volume de uma fossa é de 75 mil litros, suficiente para 500 pessoas. Para um número maior de utilização, coloca-se a fossa adicional necessária.

O volume mínimo de uma fossa séptica é de 1.250 litros, o que satisfaz a um imóvel com até cinco pessoas. O maior volume de uma fossa é de 75 mil litros, suficiente para 500 pessoas. Para um número maior de utilização, coloca-se a fossa adicional necessária.

Fossas com volumes menores que este não realizam o tratamento necessário dos esgotos sanitários. Não devem, portanto, ser usadas.
Antes de ser utilizada, a fossa deverá estar cheia de água limpa. A limpeza das fossas sépticas deverá ocorrer, no mínimo, uma vez por ano, quando se retira o lodo. Nessas ocasiões, deixa-se o volume com cerca de 25 litros, para que o tratamento do material seguinte ali recolhido não seja interrompido. Em toda fossa, forma-se uma camada, na superfície, de um líquido chamado escuma, que também deve ser retirado por ocasião da limpeza.

Convém que a fossa séptica seja instalada na frente do terreno, próxima à rua, para facilitar a limpeza e a retirada do lodo. Este lodo, por ser altamente contaminado, deve ser imediatamente enterrado.


Sumidouro


Quando a rua não possui canalização de águas pluviais, os efluentes da fossa devem ser encaminhados a um ponto chamado sumidouro, isto é, uma escavação destinada a fazer com que a água recebida seja absorvida pelo subsolo. Essa água jamais deve ser lançada ao ar livre ou em sargetas, tendo em vista o alto grau de contaminação que possui, capaz de propagar muitos tipos de doenças.

© 2010 Companhia Estadual de Águas e Esgotos - CEDAE