A CEDAE

Elevatória do Lameirão

A Elevatória do Lameirão configura-se até os dias de hoje como uma portentosa obra de engenharia com singularidades que fazem dela a maior elevatória subterrânea de água tratada do mundo. Localizada no bairro de Santíssimo, Município do Rio de Janeiro, teve suas estruturas hidráulicas todas construídas a cerca de 64 metros abaixo do níveldo terreno.

Uma galeria de acesso, com 180 m de extensão, liga o prédio ao elevador social para ingresso de pessoas ao salão de bombas.

Uma galeria de serviço, com 130 m de extensão é utilizada para acesso ao elevador de carga, por onde entram e saem os equipamentos de grande porte, como motores e bombas.

Cerca de 64 metros abaixo do nível do terreno galerias escavadas em rocha abrigam o salão de bombas e motores, galeria de válvulas, salão de bombas de esgotamento e galerias de acesso. Por questões de segurança as galerias subterrâneas são dotadas de sistema de alarme, bombas de esgotamento e portas estanques do tipo submarino.

A construção da elevatória exigiu a escavação e retirada de 70.000 m³ de rocha e consumiu cerca de 35.000 m³ de concreto.

Elevatória do Lameirão.

Elevatória do Lameirão Como Parte
do Sistema de Produção

Toda água bombeada na Elevatória do Lameirão tem como procedência a Estação de Tratamento de Água do Guandu, maior estação de tratamento de água do mundo, localizada no bairro Prados Verdes, Nova Iguaçu.

A água é captada no rio Guandu, passa por gradeamento e desarenadores e depois é bombeada para a ETA-Guandu, onde sofre um tratamento do tipo convencional.

As fases de tratamento são: coagulação química, floculação, decantação, filtração, desinfecção por cloro, correção de pH e por último a aplicação de flúor para auxílio no combate a cárie dentária.

A ETA-Guandu é responsável pelo tratamento de cerca de 43.000 litros/segundo.

Os 3,5 bilhões de litros diários produzidos na ETA-Guandu, fluem para dois subsistemas: O subsistema Marapicu e o subsistema Lameirão. O primeiro é composto por três elevatórias de água tratada, reservatório de carga e adutoras de grandes diâmetros que escoam esta água para diversas partes da cidade. O subsistema Lameirão é composto por túnel de adução, elevatória de alto recalque e túnel-canal. Cerca de 50% da água tratada no Guandu flui para a Elevatória do Lameirão. A água que sai da ETA chega à Elevatória do Lameirão através de um grande túnel pressurizado com seção de 14 m² e extensão de 11 km.

Elevatória do Lameirão e o Sistema de Adução

A água bombeada na Elevatória do Lameirão flui através de dois shafts (túneis verticais) escavados em rocha, com 2,75 m de diâmetro e altura de 117 m. A partir deste ponto a água escoa em regime de conduto livre (por gravidade).

Imediatamente após a chegada da água, estes dois túneis se unem em um “Y” formando apenas um túnel-canal com seção equivalente a 22 m². Este túnel faz um percurso de 32 km, se iniciando em Santíssimo e finalizando no reservatório dos Macacos, na Gávea. A construção deste túnel-canal exigiu um estudo elaborado tendo como objetivo o aproveitamento da topografia e maciços rochosos existentes para conduzir a água por gravidade em uma extensão considerável.

No percurso do túnel, alguns vales obrigaram a construção de 3 pontes-canais ligando um maciço a outro.

Na baixada de Jacarepaguá, devido a grande extensão entre os morros, não foi possível a construção de ponte canal, optando-se por um sifão invertido com uma extensão de 2.800 m, passando sob a Av. Cândido Benício. Durante todo o percurso do túnel-canal, dispositivos de transição permitem a saída de adutoras para abastecimento de diversas regiões ao longo de seu caminho.

A Elevatória do Lameirão é responsável pelo abastecimento de Bangu, Anchieta, Nilópolis, Acari, zona da Leopoldina, Jacarepaguá, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Tijuca, Centro e zona sul da Cidade.

Características Técnicas

Energia Elétrica

• Subestação abaixadora em área de 5.700 m²
• Alimentação de entrada da concessionária com duas linhas de 138.000 volts
• Capacidade instalada de 102.000 kVA
• Dois transformadores de 30.00 kVA e um de 42.000 kVA
• Rebaixamento de 138 kVA para 13,8 kVA
• Transformadores auxiliares para alimentação de média e baixa tensão

Sistema de Bombeamento

• Capacidade de bombeamento total = 27.600 l/s ou 2,4 bilhões de litros por dia
• 5 bombas de 4.600 litros por segundo
• 2 bombas de 2.300 litros por segundo
• 5 motores síncronos de 9.000 HP - 13,8 kV – 400 rpm
• 2 motores síncronos de 4.500 HP - 13.8 kV – 600 rpm
• Altura manométrica = 117 m.c.a.
• Recalque através de 2 shafts escavados em rocha de 2,75 m de diâmetro e 117m de altura

Sala de Comando e Controle

No centro de comando e controle ficam abrigados todos os painéis de comando da Elevatória e da subestação, mesa de comando e controle além dos painéis de medidores. Estes comandos ficam distantes dos motores principais cerca de 450 metros.

Dispositivos Hidráulicos

• 2 válvulas de sucção do tipo borboleta com diâmetro de 1,50 m (por grupo). Uma com acionamento elétrico e outra com acionamento hidro-pneumático.
• Duas rotoválvulas de recalque com 1,20 m de diâmetro (por grupo). Uma com acionamento elétrico e outra com acionamento hidro-pneumático.
• Sistema de esgotamento automático composto por 2 grupos moto-bombas de 75 HP para escoamento água operacional e 2 grupos moto-bombas de 350 HP para escoamento de emergência.
• Chaminé de equilíbrio - Responsável por amortecer possíveis golpes de aríete no túnel de sucção, é constituída por um túnel, escavado em rocha, com diâmetro de 15 m e altura útil de 47 m.

Conteúdo Relacionado

voltar para INFRAESTRUTURA
 
Search