APRENDA COM A CEDAE

Dicas e economia no dia a dia

Como economizar água

Somente o uso racional da água pode reduzir o valor de sua conta d'água. Evite desperdícios, verifique vazamentos e economize.

Dicas para você economizar água

  • Verifique se há vazamentos ou desperdício de água;

  • Ao escovar os dentes, fazer a barba ou lavar a louça não deixe a torneira aberta o tempo todo;

  • Ao lavar roupas, na hora de esfregar, feche a torneira do tanque e só abra de novo na hora de enxaguar;

  • Molhe as plantas com regador;

  • Use pano úmido para a limpeza da casa;

  • Acione a descarga no máximo 5 segundos;

  • Controle o tempo de permanência no banho;

  • Limpe quintais e calçadas com vassoura. Ou use a água que sai da máquina de lavar;

  • Reutilize a água.

Como limpar a sua caixa d'água

  • Feche o registro de entrada da caixa d’água;

  • Faça o seu consumo de água normalmente até ficarem retidos aproximadamente
    15cm de água no fundo da caixa. Esta água será usada na limpeza;

  • Tampe com uma bucha de pano a saída de água da caixa para evitar a entrada de sujeira na tubulação;

  • Inicie a limpeza com esponja ou escova de nylon macio, esfregando as paredes
    da caixa. Nunca use sabão, detergente ou outros produtos;

  • Retire a água e todos os resíduos removidos do fundo e das paredes, utilizando baldes e panos limpos;

  • Abra novamente o registro de entrada deixando o nível da água alcançar 15cm, feche de novo o registro de entrada e repita os passos 4 e 5;

  • Remova a bucha de pano e abra o registro de entrada para enchimento da caixa, acrescentando 2 litros de água sanitária para cada 1.000 litros de água;

  • Feche o registro de entrada e deixe essa água em repouso por, no mínimo, 2 horas;

  • Esvazie novamente toda a caixa, abrindo todas as torneiras para que esta água desinfete as tubulações da sua casa;

  • Feche as torneiras, abra o registro de entrada, tampe a sua caixa e ela estará desinfetada.

Riscos em poços artesianos

A abertura de poços irregulares pode causar sérios danos à saúde da população e ao meio ambiente. Antes de abrir um poço, consulte a CEDAE.

Poços são soluções alternativas para regiões onde não há rede, e não devem ser utilizados como fonte principal de abastecimento.

Se o seu imóvel está em região abastecida pela CEDAE, não abra poços. A água que abastece os poços vem de lençóis freáticos, que são reservatórios naturais, abastecidos pela água das chuvas. Nos lugares onde há muitas casas e asfalto, os lençóis freáticos podem ressecar.

A água dos poços precisa ter sua qualidade testada a cada duas horas, para que você não corra o risco de utilizar água contaminada por esgotos e dejetos industriais.

A abertura de poços precisa ser comunicada e autorizada pelos órgãos responsáveis pela saúde pública e do Meio Ambiente, e outorgada pelo Inea.

Evitar vazamento de água

Vazamento na rede interna do imóvel é outra forma de desperdício e com um sério agravante: enquanto é possível identificar o desperdício voluntário da água, nem sempre é fácil achar um vazamento. Pior quando ocorre por debaixo do solo ou no interior das paredes do imóvel. Nem sempre a água vazada aflora, podendo ser absorvida pelo terreno sem que se perceba. Existem outros tipos de vazamentos invisíveis, como nas válvulas de descarga, nas colunas de edifícios e nas paredes de cisternas.

A CEDAE reconhece o quanto são desagradáveis tais situações, mas pouco pode fazer para evitá-las ou mesmo remediá-las, pois as pessoas por vezes preferem atribuir a um defeito do hidrômetro, antes de qualquer verificação nas instalações hidráulicas do imóvel, recusam-se a pagar a conta e exigem que o aparelho seja substituído e aferido nas oficinas de hidrômetro da CEDAE.

O resultado, em quase 100% dos casos é um prejuízo ainda maior, porque se o vazamento não for logo identificado e corrigido, o hidrômetro continuará cumprindo sua função - e a conta a pagar será cada vez mais alta. Além disso, quando a aferição atesta o perfeito funcionamento do hidrômetro, a CEDAE tem o direito de manter o valor das contas contestadas, cobrar multas e os custos da aferição.

Saiba mais

Uma torneira pingando

=

46 litros p/dia é o suficiente para um banho demorado.

Um filete de 1mm

=

.280 litros p/ dia é o suficiente para uma família inteira com 5 pessoas.

Um filete de 3mm

=

8.000 litros p/dia é o suficiente para abastecer uma escola inteira com 240 alunos.

Um filete de 1,5mm

=

2.800 litros por dia é o suficiente para o atendimento a 6 doentes internados num hospital com lavanderia e cozinha.

Tipos de vazamento

Aprenda a descobrir os principais e mais comuns tipos de vazamentos. São testes simples que poderão ser executados por você mesmo. Em primeiro lugar, observe a ilustração para entender o percurso da água - desde a entrada no imóvel até a saída, em forma de esgoto. No trajeto, indicado por letras, estão os pontos mais comuns onde ocorrem vazamentos.

Veja o que fazer para descobri-los:

Aprenda a identificar tipos de vazamentos na sua casa.

Saiba mais sobre os tipos de vazamentos na sua casa.

A – Ramal interno+

O mais comum dos vazamentos acontece no ponto A, do ramal interno. A água vaza e se infiltra no terreno e dificilmente aflora à superfície, principalmente se houver algum tipo de piso ou calçamento.
Para detectá-lo, feche a entrada de água da cisterna, levante e prenda a boia. Se o ponteiro do hidrômetro continuar girando, é sinal de vazamento A. O outro teste consiste em fechar o registro do cavalete, abrir a torneira do jardim (nº 1 na ilustração) e colocar um copo cheio d’água na boca da torneira. Se houver sucção da água do copo, é porque existe vazamento no ponto A.

B – Cisterna+

O vazamento B ocorre na cisterna, por rachaduras ou impermeabilização defeituosa. Mantenha a boia levantada e não ligue a bomba. Após determinado tempo, se o nível da cisterna não baixar, não existe vazamento.

C- Boia defeituosa+

Ainda na cisterna, há possibilidade de vazamento no ponto C, embora não muito frequente. A boia defeituosa permite à água escapar pelo espaço entre as paredes e a laje superior da cisterna. Se houver extravasor (ladrão) irregular da cisterna para as águas pluviais, o nível da água estará sempre alto, com o excesso se perdendo, sem ser visto, para a rede pluvial.

D- Ladrão+

Na caixa d’água elevada, se a boia estiver defeituosa, o vazamento D será logo notado, desde que a água tenha condições de cair numa área livre. Muitas vezes, no entanto, o responsável pelo imóvel liga o extravasor à canaleta de chuva. Resultado: o valor da conta d’água aumenta, sem motivo aparente.

E – Dreno de limpeza+

Em E acontece o mesmo, só que no dreno de limpeza da caixa d’água, se o registro 2 não estiver bem fechado e o dreno estiver ligado ao tubo de esgotos ou à canaleta de água da chuva.

F – Válvula+

Em F, o vazamento será numa válvula interna do imóvel. Para descobri-lo, interrompa o uso da água. Feche o registro da cozinha (nº 3) e do banheiro (nº 4). Marque o nível da água na caixa (use uma vareta como medida). Em seguida, sem utilizar as instalações, abra apenas um registro (por exemplo, o nº 3). Confira se o nível da caixa permanece o mesmo (aguarde um bom tempo antes de conferir). Se o nível baixar, há vazamento na cozinha. Depois, faça a mesma coisa, somente com outro registro aberto (nº4). Se houver redução no nível da caixa, é sinal de vazamento no banheiro. Nas instalações mais complexas, o procedimento é o mesmo, com os registros de saída de uma coluna de cada vez. No vaso sanitário, o vazamento pode ser descoberto com a ajuda de pó de café, ou secando completamente a água do vaso e verificando se ela reaparece no fundo.

Esses vazamentos nas válvulas irão para a rede de esgotos e aparecerão na caixa de inspeção de esgotos (nº 5). Normalmente é uma água clara, diferente da água turva do esgoto.

G – Parte externa+

Se após esses testes o nível da caixa continuar baixando, o vazamento será na parte externa do imóvel (G). Para detectá-lo, ligue uma mangueira transparente à torneira (nº 6), levantando a extremidade até uma determinada altura. Feche a torneira, deixando a mangueira erguida ainda com água até a extremidade. Em seguida, feche o registro (nº 4) e abra a torneira (nº 6). Se o nível da mangueira diminuir, está confirmado o vazamento em G.

Preservar as instalações de esgoto

Assim como no caso das instalações de água, a manutenção das instalações internas de esgotos dos imóveis é de inteira responsabilidade dos proprietários ou ocupantes.

Nos casos de vazamentos (não só de esgotos como de água) de um imóvel para outro, também cabe ao proprietário ou ocupante providenciar os reparos. Os vazamentos de esgotos sanitários representam um sério problema de saúde pública, em face dos altos riscos de contaminação que oferecem. Portanto, tenha todo cuidado com a manutenção dessas instalações.

Para evitar o mau cheiro, verifique se o fecho hídrico dos desconectores está com água em volume suficiente. Desconectores são caixas dotadas de uma camada de água para evitar a penetração dos gases da rede de esgotos no interior do imóvel. É o caso do vaso sanitário, que deve sempre ter aquela pequena camada de água no fundo. O vaso é um desconector e a água que ali permanece é o fecho hídrico.

Outros exemplos de desconector são o ralo sifonado, a caixa de gordura e a caixa sifonada, todos dotados de camadas de água no interior. A canalização de ventilação é indispensável para eliminar os gases da instalação e da rede pública de esgotos.

Evitar vazamento de esgoto

A caixa de gordura serve para reter as gorduras das pias das cozinhas. Ao se resfriar, a gordura torna-se sólida e forma blocos, que entopem a rede de esgotos sanitários. Para que isso não aconteça, limpe a caixa de gordura pelo menos uma vez por semana. O que for retirado durante a limpeza deverá ser ensacado e jogado no lixo e nunca nas instalações de esgotos sanitários, nem na caixa de águas pluviais. Grande parte dos vazamentos que vemos nas ruas em frente a padarias, restaurantes e bares, por exemplo, provém da má utilização das caixas de gordura.

Importante

Nunca jogue óleo usado na pia da cozinha.

 
Search